quinta-feira, 9 de julho de 2015

Problemas de saúde equina (Cólicas)

  • Cólicas
Esta palavra deixa logo aflitos alguns proprietários de cavalos, e com razão. De facto, uma cólica pode, no mais curto espaço de tempo, ''desvanecer-se no ar'', na mais verdadeira acepção da expressão, mas também pode suceder o contrário: pode ser letal para o cavalo. Entende-se por cólica qualquer dor na região abdominal. Portanto, as causas podem ser as mais diversas, incluindo alimentos deteriorados, sobrenutrição, hipotermia, infeções, infestação de vermes ou obstruções.

O cavalo possui um aparelho digestivo anatomicamente complexo que possibilita o diagnóstico incorreto da causa da cólica. Mas acontece que o risco de ter uma cólica é substancialmente menor se se tiver os devidos cuidados com o cavalo (possiblidade de se movimentar à vontade), alimentação adequada (consoante a raça e as circunstâncias) e fazendo desparasitações regulares (vermes).
De mais a mais, nas reservas cinegéticas os cavalos não contraem cólicas.

Quando sofre de cólica, o cavalo começa a ficar inquieto e a bater com as patas anteriores no chão, sacode a cauda e normalmente deita-se. Quando as dores são fortes, o olhar torna-se fixo a pulsação sobre, o animal rola de um lado para o outro e transpira abundantemente. Acontece também com frequência atirar-se inesperadamente ao chão e permanecer imóvel de costas. Se, adicionalmente, os membros e as orelhas estiverem frios e todo o corpo coberto de suor, o cavalo está em risco de vida.
Como não é possível reconhecer, perante os sintomas, a gravidade da cólica, ao menor indício é necessário chamar o médico veterinário. Uma vez contactado este, e até a sua chegada, o cavalo deve ser acalmado. Depois de controlado, é possível dar-lhe de beber, mas nunca comida sólida. Em relação ao rolamento de um lado para o outro, as opiniões divergem: há quem defenda ser uma forma de aliviar a dor, outros receia que possa provocar a deslocação do intestino.

De pequenino...

Para conseguir montar na sela até o cavaleiro mais dotado precisa de tempo. Os pressupostos mais importantes são a paciência e a perseverança. Não existe praticamente outro desporto em que se tenha de pensar em tantas coisas ao mesmo tempo como no desporto equestre. E até se conseguir assimilar todos os fundamentos e atingir a desejada harmonia entre o cavalo e o cavaleiro, é um processo moroso. Tendo isto em consideração, nunca é cedo demais para começar a montar a cavalo. E não há motivos para recear a deformação dos ossos das pernas ou da coluna vertebral das crianças mais novas. Os profissionais de medicina do desporto garantem não haver qualquer problema, contanto que as crianças mais pequenas não exagerem. Uma lição por dia para crianças de seis anos que praticam algum desporto não prejudica as pernas nem a coluna vertebral; a prática de desporto de competição, pelo contrário, deve-lhes ser absolutamente interdita.

De qualquer modo, as crianças pequenas deveriam começar a trabalhar com o cavalo à guia para aprenderem a manter o equilíbrio na montada, antes de aprenderem a usar as rédeas. No volteio, o instrutor segura o cavalo com uma guia e determina o ritmo do cavalo e o seu andamento (passo, trote ou galope). Em primeiro lugar, o cavaleiro só tem de ficar sentado no cavalo; mais tarde, terá de se concentrar na forma correta de se sentar.

Para proteger a cabeça, nunca  se deve montar a cavalo sem usar o toque, com proteção do queixo e correia de ajustar, e nas escolas de equitação é mesmo obrigatório.


Raças (Fjord)

À semelhança do Islandês, o Fjord (altura: até 142 cm) está longe de ser uma ''flor de estufa''. Este cavalo ama a liberdade e é resistente às intempéries. Dado que, no inverno, o seu pêlo se torna espesso, pode permanecer todo o ano nas pastagens.

Como todos os póneis, o seu crescimento é tardio e só com seis anos atinge a idade adulta, tornando-se um animal seguro para qualquer cavaleiro. De movimentos suaves e paciente, tolera os erros típicos dos principiantes. Para as crianças, este cavalo norueguês bondoso é de confiança, sendo igualmente recomendado por terapeutas no tratamento de pessoas deficientes e doentes por causa do seu caráter amigável. É com entusiasmo que os apreciadores de cavalos de lazer falam da sua tenacidade e do seu passo seguro, sendo ainda admirada a impulsão desta raça robusta.